Aborto - lição de hipocrisia


Por Jeferson Malaguti Soares *

Recém-empossada na Secretaria de Políticas para Mulheres, a ministra Eleonora Menicucci já entrou levando chumbo grosso da bancada dita evangélica - na verdade, protestante -, em face de seu conhecido posicionamento a respeito do aborto, em defesa da descriminalização da sua prática e da necessidade de a rede pública de saúde realizar, gratuitamente, o procedimento.

Quanta hipocrisia! Afinal, somos ou não somos um estado laico, como determina a Constituição Federal? E a mulheres que não acreditam em Deus, atéias, têm também que se submeter às regras vigentes? Ora, no país ocorre um sem número de abortos anualmente, em todo o território nacional, a maioria sem qualquer assepsia. Gastamos uma fortuna com atendimentos de urgência de meninas e adolescentes com sangramento grave depois de um aborto malsucedido, sem se falar nas mortes que ele causa.

Colocar uma criança no mundo sem as mínimas condições de ser educada e orientada, ou de sobreviver fora do crime, também não é uma forma de abortar uma vida? Quando começa a vida afinal? E quando ela começa a terminar? Na maioria dos casos de gravidez indesejada, assim que nasce, a criança já está fadada à morte prematura de sua dignidade e cidadania.

Enquanto a discussão não se define, ou o congresso não toma uma posição mais racional, as meninas continuam a interromper suas gravidezes indesejadas em clínicas clandestinas, ou com chás de ervas e citotecs vendidos livremente nas feiras livres pelo país afora.

Não é justo pensar numa mulher moderna que não possa decidir sobre o próprio corpo, e que é obrigada a manter uma gravidez que não deseja levar adiante. Talvez seja mais honesto interrompê-la. Se é certo ou errado, cabe a ela decidir. Afinal, o aborto em si já consiste numa dura punição. A sociedade, enquanto isso, finge desconhecer o problema, porque lhe é conveniente, além de ter medo de seus próprios dogmas e preconceitos. As igrejas, então, sequer discutem o assunto, que deveria ser debatido exaustivamente.

A mulher tem que ser ouvida de forma clara e desassombrada. Não se trata de ser ou não a favor da vida. Claro que somos todos defensores dela. Por isto devemos protegê-la e salvá-la em todos os estágios e não apenas, hipocritamente, numa barriga que não está ainda preparada para gerá-la. Legalizar o aborto não significa que ele vá se tornar uma prática comum e banal, mas é, antes de tudo, uma questão de cidadania e de cuidado para com o próximo.

Um dos nossos maiores compromissos com a vida é o de sermos corajosos para vivê-la e responsáveis para gerá-la. Os seres humanos são dotados de sentimentos e poder que lhes permitem superar obstáculos, mas também obstacular o caminho do outro. Desta forma, elege-se uma verdade como única, e quem não comungar com ela, automáticamente é considerado contra ela, recebendo tratamento como tal. Há que termos temperança, virtude que nos permite negociar o equilíbrio, preservando-se os valores e respeitando-se as diferenças.


*Jeferson Malaguti Soares é membro da Executiva do PCdoB em Ribeirão das Neves/MG e colaborador deste blog.
.

Comentários

Anônimo disse…
Penso o seguinte: a "necessidade" do aborto é artificial! Creio que, se nós permitimos o sexo irresponsável, até mesmo o incentivamos, deveríamos saber que gravidezes acontecem. Assim como assimilamos esta "liberdade sexual" deveríamos nos reestruturar para assegurar, às suas conseqüências, a assimlação, e não a destruição. Somos hipócritas é nisto!
Anônimo disse…
AJUDE A DIVULGAR

É BOM CONHECER UM POUCO DA JUSTIÇA:
É BOM VERIFICAR AS DENUNCIAS DO DR. ABBOUDLAHDO NO YOU TUBE SOBRE A JUSTIÇA NO BRASIL


http://youtu.be/2iiYgdZOipw

http://youtu.be/GbNAtPRd5Qk

http://youtu.be/nOKbfFFg23M


estes são alguns vídeos que fez sobre invasão de terras no ms pelo poder judiciario
SOU JORNALISTA FOTOGRAFICO E TAMBÉM DIRIGI O FILME DE LONGA METRAGEM INTITULADO PARALELOS TRAGICOS